29.10.10

Shakespeare, o Homem da Minha Vida

E estou falando do verdadeiro, tá?! Não conheço tudo que ele deixou escrito, mas tudo o que conheço me agrada, e cada vez que deparo com uma nova citação, me encanto como se fosse a primeira vez...
Não precisava de muito, pois uma mente conturbada o bastante pra criar um romance impossível, cheio de preconceitos e tragédia e fazer com que se torne uma das mais famosas obras da literatura mundial tem que ser uma mente brilhante. Não foi por sorte que ele transformou Romeu e Julieta em inesquecível e atemporal, ele era competente mesmo, ilustre, brilhante... Chega, não vou ficar puxando o saco do cara (mesmo porque o que o nome Shakespeare representa hoje em dia, não precisa de uma besta ficar dizendo como ele é f#da), mas um comentário engraçado é que quando penso nele como artista, por vezes não consigo assimilar que seja alguém nascido em 1564. As falas dele não vieram com prazo de validade, acho que por isso fazem tanto sucesso. Sem falar no quanto ele era eclético, capaz de mesclar comédia, romance e tragédia brilhantemente. Tem pra todo gosto no acervo dele (que muitos dizem que não é dele de verdade) e certamente você conhece mais de Shakespeare do que imagina, pois subnicks de MSN, status de Orkut e Facebook, e-mails com anexos em PPS... enfim, em tudo (principalmente no mundo "online") é possível e provável encontrar vestígios dessa criatura brilhante, que toca minha alma, puxa minha orelha e me mostra que os problemas impossíveis que eu tenho não são só meus, que todo mundo passa pelas mesmas coisas (até no século XIV já era assim), o que difere é a forma que cada indivíduo reage a elas (aprendi isso com ele, confesso).
Por vezes leio coisas que ele escreveu e lembro de provérbios chineses, da sabedoria e do aconselhamento sutil contido nas entrelinhas, mas vejo Shakespeare com olhos mais amigáveis, pois sinto uma certa arrogância na sabedoria chinesa. De qualquer forma, estou falando de coisas muuuuuuuito antigas e que encaixam perfeitamente na nossa realidade de hoje em dia (e provavelmente em 2087 ainda será assim). Onde eu quero chegar? Pare pra pensar, sabedoria não tem idade e não envelhece.
Pra encerrar, nada melhor que palavras do meu querido e tão amado.
"Há quem diga que todas as noites são de sonhos.
Mas há também quem garanta que nem todas, só as de verão. No fundo, isto não tem muita importância.
O que interessa mesmo não é a noite em si, são os sonhos. Sonhos que o homem sonha sempre, em todos os lugares, em todas as épocas do ano, dormindo ou acordado."

E não me venham comparar Shakespeare com Clarice Lispector. Não tenho nada contra ela, mas essa modinha virtual em torno do nome Clarice já me irritou. Eu tiro minhas próprias conclusões e fico muito p da vida com gente que diz amém a tudo que é modinha só pra passar a imagem de "antenado", de "cool" (e principalmente para não se enrolar se tiver que explicar porquê gosta ou não gosta de certa coisa, é muito mais fácil acenar com a cabeça e dizer: "É irado, eu me amarro também"). Minha dica é que leiam mais Shakespeare, mais Fernando Pessoa, mais Drummond, mais Veríssimo... Enfim, tenham variedade. Ser eclético é uma virtude e um dom comum, pena que poucos saibam como utilizar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Amiiiiiiigo, hein?! Pega leve aí... rs

Seguidores